Falando de Pesca »

6 de novembro de 2019 – 18:15 | 302 views

48-Peixes – 44 – Falando de Pesca

48-66-S- CONHECENDO A PIRARARA
A Pirarara é um peixe que tem sua ocorrência nas bacias dos rios Araguaia – Tocantins e Amazônas, (…)

      Reino – Animalia  ; Filo - Chordata ;  Classe - (…)

Leia a história completa »
Blog
Além da Pesca
iniciantes
Notícias de Pesca
Peixes
Home » Falando de Pesca

09 – Falando de Regiões Hidrográficas {324}

Enviado por on 21 de outubro de 2014 – 18:52Nenhum Comentário | 847 views

44.00 –FALANDO DE PESCA – 09- Meio Ambiente 

44.09.60.S-REGIÃO HIDROGRÁFICA DO PARANÁ 

O Brasil tem um dos maiores complexos hidrográficos do mundo, apresentando rios com grandes extensões, larguras e profundidades, (…)

 A maioria dos rios brasileiros nasce em regiões pouco elevadas, com exceção do rio Amazonas e de alguns afluentes que nascem na cordilheira dos Andes.

O Brasil possui 8% de toda a água doce que está na superfície da Terra. Além disso, a maior bacia fluvial do mundo, a Amazônica, também fica no Brasil. Somente o rio Amazonas deságua no mar um quinto de toda a água doce que é despejada nos oceanos. 

Rios de Planalto e Planície 

Devido à natureza do relevo, no Brasil predominam os rios de planalto, que apresentam rupturas de declive, vales encaixados, entre outras características, que lhes conferem um alto potencial para a geração de energia elétrica. 

Encachoeirados e com muitos desníveis entre a nascente e a foz, os rios de planalto apresentam grandes quedas-d’água. Assim, em decorrência de seu perfil não regularizado, ficam prejudicados no que diz respeito à navegabilidade. Os rios São Francisco e Paraná são os principais rios de planalto. 

Em menor quantidade, temos no Brasil os rios que correm nas planícies, sendo usados basicamente para a navegação fluvial, por não apresentarem cachoeiras e saltos em seu percurso.

Como exemplo, podem ser citados alguns rios da bacia Amazônica (região Norte) e da bacia Paraguaia (região Centro-Oeste, ocupando áreas do Pantanal Mato-Grossense). Entre os grandes rios nacionais, apenas o Amazonas e o Paraguai são predominantemente de planície e largamente utilizados para a navegação.

Apesar da maioria dos rios brasileiros nunca secar, alguns apresentam características curiosas, como por exemplo, o Jaguaribe (Ceará), que desaparece nas secas, e o Paraguaçu (Bahia), que se torna subterrâneo e depois volta a ficar visível. 

     Regiões Hidrográficas 

     São espaços territoriais que compreendem uma bacia hidrográfica ou um conjunto de bacias com características naturais e socioeconômicas semelhantes. 

     A região hidrográfica do Paraná é uma das doze regiões hidrográficas do Brasil, classificadas pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) com o intuito de planejar o uso racional dos recursos hídricos. 

     Ocupando uma área de aproximadamente 880 mil quilômetros quadrados, a região hidrográfica do Paraná abrange porções dos territórios dos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás, além do Distrito Federal. 

A população total dessa área, que abriga cidades como São Paulo, Campinas, Goiânia, Curitiba, Campo Grande, Brasília, Uberlândia, entre outras, é superior a 54,6 milhões de habitantes. 

A vazão média de água da região hidrográfica do Paraná responde por 6,5% do total do país. Os rios que compõem essa região são o Paraná, Paranaíba, Grande, Paranapanema, Tietê, Iguaçu, Ivaí, Aporé, Pardo, Amambaí, Sucuriú, Dourados, Verde, entre outros. O principal rio é o Paraná, com extensão de 2.570 quilômetros, cuja foz é no Rio da Prata. 

O Rio Paranaíba é o segundo maior, percorrendo uma distância de 1.170 quilômetros.

As águas desses rios abastecem milhões de habitantes, além de serem utilizadas nas atividades industriais e agrícolas. Outra função importante desses corpos d’água é a produção de eletricidade, por meio da instalação de usinas hidrelétricas. 

O potencial hidrelétrico é bastante aproveitado, gerando energia para quase todo o país. O grande destaque é a Usina Hidrelétrica de Itaipu, construída em uma parceria entre Brasil e Paraguai, sendo considerada uma das maiores do mundo.

No entanto, a expansão urbana, o crescimento populacional (aumentando o consumo de água), as atividades agrícolas e industriais têm desencadeado uma série de problemas socioambientais na região hidrográfica do Paraná.

Os maiores impactos são o desmatamento de áreas de Cerrado e Mata Atlântica, déficit nos serviços de saneamento ambiental, poluição e assoreamento dos rios.

A Região Hidrográfica do Paraná, com 32,1% da população nacional, apresenta o maior desenvolvimento econômico do País. Com uma área de 879.873 Km², a região abrange os estados de São Paulo (25% da região), Paraná (21%), Mato Grosso do Sul (20%), Minas Gerais (18%), Goiás (14%), Santa Catarina (1,5%) e o Distrito Federal (0,5%).

Em 2010, aproximadamente 61,3 milhões de pessoas viviam na região (32% da população do País), sendo 93% em áreas urbanas. A região possui a cidade mais populosa da América do Sul, São Paulo, com cerca de 11,1 milhões de habitantes.

Outros importantes centros populacionais são: Brasília, Curitiba, Goiânia, Campinas, Campo Grande e Uberlândia. A maior parte de população se concentra nas unidades hidrográficas dos rios Tietê e Grande, que, juntas, correspondem a 61% da população total.

O crescimento de grandes centros urbanos, como São Paulo, Curitiba e Campinas, em rios de cabeceira, tem gerado uma grande pressão sobre os recursos hídricos. Isso ocorre porque, ao mesmo tempo em que aumentam as demandas, diminui a disponibilidade de água devido à contaminação por efluentes domésticos, industriais e drenagem urbana.

Originalmente, a Região Hidrográfica do Paraná apresentava os biomas de Mata Atlântica e Cerrado e cinco tipos de cobertura vegetal: Cerrado, Mata Atlântica, Mata de Araucária, Floresta Estacional Decídua e Floresta Estacional Semidecídua.

O uso do solo na região passou por grandes transformações ao longo dos ciclos econômicos do País, o que ocasionou um grande desmatamento.

Esta região hidrográfica possui a maior demanda por recursos hídricos do País, equivalente a 736 m3/s, que corresponde a 31% da demanda nacional. A irrigação é a maior usuária de recursos hídricos (42% da demanda total), seguida do abastecimento industrial (27%).

Com relação aos indicadores de saneamento básico, em 2010, de acordo com o Censo Demográfico (IBGE 2010), os percentuais da população atendida com abastecimento de água variavam de 90% (no Paranaíba) a 98% (Grande).

A maioria das unidades hidrográficas está com um percentual acima da média do Brasil que era de 91%.

Principais Rios da Bacia do Paraná

Rio Tietê, Ivaí, Paranaíba, Iguaçu, Grande, Pardo, Amambaí, Aporé, Verde, Dourados, Sucuriú, Piquiri, Paranapanema.

Falando Um Pouco dos Rios da Hidrográfica do Paraná

Rio Paraná

É o principal rio da Bacia Hidrográfica do rio Paraná. Sua nascente fica na confluência dos rios Paranaíba e rio Grande, na região de divisa entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Em seu trecho final, ele passa a seguir na direção sul até desaguar (foz) no delta do Paraná e no rio da Prata.

O rio Paraná possui 2.570 km de extensão.  Sua vazão na foz é de, aproximadamente, 15.900 m³/s.

O rio Paraná é um importante rio da América do Sul (principal rio da Bacia Hidrográfica do rio Paraná). Sua nascente fica na confluência dos rios Paranaíba e rio Grande, na região de divisa entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

     Ao correr para a região oeste, ele cria uma divisa natural entre a Argentina e o Paraguai. Logo em seguida, o rio segue pelo território argentino. Em seu trecho final, ele passa a seguir na direção sul até desaguar (foz) no delta do Paraná e no rio da Prata.

       Rio Paranaíba 

     O rio Paranaíba é um rio brasileiro que nasce no estado de Minas Gerais. Um dos formadores do rio Paraná. Nasce no município de Rio Paranaíba e, após percorrer 1.170 km, junta-se com o Rio Grande, formando então o majestoso rio Paraná. 

Área da bacia 34.400 km 

Comprimento 1.000 km 

Fluxo 796 m³/s

 Rio Grande

É um rio brasileiro que nasce no estado de Minas Gerais e banha também o estado de São Paulo. Considerado um rio de planalto sua nascente localiza-se no alto do Mirantão na Serra da Mantiqueira em Bocaina de Minas, a uma altitude de 1.980 m.

Percorre 1.360 km até encontrar o Rio Paraíba no município de Cameirinho MG, formando o Rio Paraná.

A bacia do rio Grande pertence à bacia do rio Paraná. Possui uma área total de 143 mil km², dos quais 86.500 km² localizam-se em Minas Gerais, o que equivale a 17,8% do território mineiro.

A partir dos municípios de Claraval e Ibiraci, o rio forma a divisa natural do estado de Minas Gerais com São Paulo.

     Rio Paranapanema

     É um dos rios mais importantes do interior do estado de São Paulo. Ele é um divisor natural dos territórios dos Estados de São Paulo e Paraná.

     O rio tem uma extensão total de 929 km desenvolvendo-se no sentido geral leste-oeste e desaguando no rio Paraná numa altitude de 239 m aproximadamente.

     As nascentes do rio Paranapanema estão localizadas na serra Agudos Grandes em Capão Bonito muito próximo da divisa dos municípios de Eldorado e Ribeirão Grande. 

Fonte 

.Agencia Nacional da Água – ANA 

.Site Sogeografia

.Site Brasil Escola 

.Falando de PescaEdit. Out./14

 O que você tem feito pelo planeta Terra ??

324

Deixe um comentário!

Adicione seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. You can also subscrever estes comentários via RSS.

Be nice. Keep it clean. Stay on topic. No spam.

Você pode usar essas tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Este é um weblog Gravatar-permitido. Para obter seu próprio avatar-reconhecido, por favor registre em Gravatar.